Como é feito a manutenção de uma rodovia?

A manutenção das estradas é um assunto que geralmente só entra em pauta, quando ocorre algum desgaste que prejudica o bom andamento do tráfego. Mas, apesar de não ser um assunto muito abordado, a manutenção de rodovias é extremamente importante e pode afetar diretamente a população. Você sabia, por exemplo, que além do risco de [...]

A manutenção das estradas é um assunto que geralmente só entra em pauta, quando ocorre algum desgaste que prejudica o bom andamento do tráfego. Mas, apesar de não ser um assunto muito abordado, a manutenção de rodovias é extremamente importante e pode afetar diretamente a população. Você sabia, por exemplo, que além do risco de acidentes e do aumento no tempo de viagem, os cuidados com rodovias também estão diretamente ligados a custos operacionais dos veículos e ao consumo de combustível? Sem falar que no Brasil, aproximadamente 90% dos comércios dependem das estradas. Ou seja, praticamente todo o país é dependente das rodovias. Mas como deve ser feita a manutenção das mesmas, para evitar adversidades? Vamos explicar a seguir.

Por que as manutenções são necessárias?
As estradas não duram para sempre. Mesmo que a implantação de rodovias seja realizada com perfeição, elas acabam sofrendo com a ação do tempo, do clima e também podem se desgastar por causa da carga dos veículos. Todos esses elementos podem causar trincas, ondulações e outros problemas que precisam de intervenção.
Portanto, para garantir as boas condições de tráfego e a segurança de todos os usuários, é fundamental que as empresas responsáveis realizem planejamentos e análises para verificar quando é necessário fazer manutenções, atuar na conservação e realizar a restauração de rodovias. No primeiro caso, o foco é fazer reparos localizados, para evitar o agravamento dos problemas. Por outro lado, a conservação é constituída por serviços que devem ser feitos com uma certa frequência, como o corte da vegetação, a limpeza de equipamentos de drenagem e a reposição da sinalização. Já no último caso, o objetivo é recuperar a rodovia ou parte dela, mantendo as características originais.

Quais técnicas são usadas na manutenção de rodovias?
Existem algumas maneiras de realizar reparos corriqueiros ou de emergência nas estradas. Dentre as principais, estão: fresagem, reciclagem e microrrevestimento asfáltico. A seguir, vamos explicar como cada um deles é feito.

Fresagem
Esse é o nome dado a cortes realizados em uma ou mais camadas do pavimento. Para que isso seja possível, é preciso utilizar um equipamento chamado fresadora. Ela pode ser usada tanto nas estradas, quanto em pontes e viadutos. No primeiro caso, é ótima para a prevenção de trincamentos, evitando que entre água no pavimento, causando buracos em épocas do ano em que as chuvas aparecem com maior frequência. Já nas pontes e viadutos, essa técnica tem o objetivo de retirar parte do revestimento asfáltico, para melhorar o atrito. Com relação à espessura do corte, a fresagem pode ser profunda, rasa ou superficial. Já, no que diz respeito à rugosidade, pode ser padrão, fina ou microfresagem.

Reclicagem
A reciclagem, como você já pode imaginar, é um dos métodos mais ecologicamente corretos. Ele se baseia na reutilização de misturas asfálticas que estão envelhecidas ou deterioradas. Nesse caso, até mesmo os materiais da fresagem podem ser utilizados. Ao acrescentar outras substâncias a esses resíduos, como espuma de asfalto, emulsão asfáltica, agentes rejuvenecedores e CAP para compor o revestimento, é possível criar uma nova mistura. Quando feita à quente, ela pode restaurar a capa asfáltica. Já, quando usada à frio, pode também realizar consertos em outras camadas, como a base e sub-base. É importante ressaltar, que além da diminuição do consumo de recursos naturais, a reciclagem também é uma técnica que reduz gastos, sendo indicada para grandes centros urbanos, onde esses recursos são escassos.

Microrrevestimento asfáltico
O microrrevestimento asfáltico à frio é uma das formas de realizar ações preventivas e de reabilitação, tendo em vista os cuidados com rodovias. Ele é indicado para fazer reparos em superfícies que sofreram com a oxidação e com desgastes. Além disso, essa técnica aumenta a aderência entre os pneus dos carros e a capa asfáltica, ajuda na impermeabilização e pode ser usada para o preenchimento de trilhas de roda. Já nas camadas intermediárias, é uma ótima solução para retardar o aparecimento de trincas. Por ser um serviço rápido, onde o tráfego pode ser liberado em aproximadamente 1 hora após a aplicação, é uma opção vantajosa para locais com alto tráfego.